sábado, janeiro 28, 2017


Mandaguari no piloto automático

0
Tem gente que imagina que o povo de Mandaguari tem conotação com o Bozo...Meu amigo se em quatro anos as obras iniciadas ficaram inacabadas. Você acha mesmo que sairá agora casas populares e parque industrial?

Ministério da Saúde confirma oito mortes por febre amarela em Minas Gerais

0


Brasília - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, atende a imprensa, para atualizar a situação da febre amarela nas regiões afetadas pela doença (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, dá entrevista para atualizar a situação da febre amarela nas regiões afetadas pela doença.

O Ministério da Saúde confirmou esta semana que oito pessoas morreram por febre amarela em Minas Gerais. Destas, quatro tiveram exames confirmados para a forma silvestre da doença. Os outros, apesar de terem exame biomolecular positivo para a febre amarela, ainda precisam de investigações para confirmação da origem. Minas também registra mais 45 mortes suspeitas de febre amarela.
Ao todo, foram notificados 206 casos suspeitos da doença em 29 cidades do estado. Municípios do Espírito Santo próximos a Minas Gerais também registraram suspeitas: seis notificações em quatro cidades. Com estes casos, o estado, que não tinha recomendação de imunização para a doença, passou a vacinar a população de 26 municípios como medida de prevenção.
“Temos um surto em Minas e consideramos a situação sob controle. O Ministério da Saúde tem vacinas no estoque para distribuir, a vigilância é qualificada e os municípios cooperam. Não temos nenhuma situação de ter que socorrer os estados com mais do que vacina”, disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros, em entrevista coletiva.
Segundo Eduardo Hage, diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do ministério, os casos suspeitos são notificados quando o paciente apresenta os sintomas da doença, mas ainda não fez exames. “Eles podem apresentar um quadro clínico de febre amarela, mas também semelhante a outras doenças, como a hepatite viral ou mesmo dengue”, comparou.
Os óbitos suspeitos ainda passam por exames para verificar se a doença foi provocada pelo vírus silvestre ou pela vacina, que, embora seja um evento muito raro, pode provocar a doença em pessoas com imunidade muito baixa. “Embora seja um evento raro, um caso para 400 mil ou 1 milhão, quando ocorre, o quadro clínico é muito semelhante ao de febre amarela vacinal e silvestre. Isso está sendo verificado”, disse Hage.
A população de 14 municípios do estado do Rio de Janeiro também deve tomar a vacina contra a febre amarela. A Bahia, que já está na área com recomendação para a vacina, também intensificará as ações de vacinação na região próxima à divisa com Minas. Ao todo, o ministério enviou reforços de 1,6 milhão de doses de vacinas para Minas Gerais, 500 mil para o Espírito Santo, 350 mil para o Rio de Janeiro e 400 mil para a Bahia. Todo o estado de Minas faz parte da área de recomendação da vacina da febre amarela.

Doença
A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por insetos), que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente.

No Brasil, desde 1942 só são registrados casos silvestres da doença, ou seja, cujo vírus é transmitido pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que têm os macacos como principais hospedeiros. Nestas situações, os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada circula em uma área silvestre e é picada por mosquito que foi contaminado por macacos.
Na febre amarela urbana, o vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti ao homem, mas esta não é registrada no Brasil desde 1942, quando houve um caso no Acre.
A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa a pessoa. É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus.
Em 2015, foram registrados nove casos de febre amarela silvestre em todo o Brasil, seis em Goiás, dois no Pará e um em Mato Grosso do Sul, com cinco óbitos. Em 2016, foram confirmados sete casos da doença, nos estados de Goiás (3), São Paulo (2) e Amazonas (2), sendo que cinco deles levaram a óbito.
Sintomas
Os sintomas iniciais são febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem doença grave podem morrer.
Imunização

Desde junho de 2016 a Organização Mundial da Saúde considera que com apenas uma dose da vacina já se adquire proteção contra a doença, porém, no Brasil o Ministério da Saúde prevê uma dose e um reforço no calendário de vacinação em esquemas que dependem da idade. Quem já tomou a dose e o reforço pode se considerar imunizado e não precisa mais recorrer aos postos de saúde.
Fonte:Agência Brasil


Segunda dose da vacina da dengue será aplicada em março

0

A Secretaria da Saúde do Paraná iniciou os preparativos para a segunda dose da vacina da dengue. A cidade de Londrina realiza neste sábado (28) a capacitação de cem profissionais de saúde dos municípios da região que fazem parte da campanha.
A vacinação está programada para acontecer entre 3 e 31 de março.
“Agora, para a segunda fase, vamos capacitar novos profissionais e intensificar o trabalho para que possamos atingir a meta e vacinar 100% das pessoas que receberam a primeira dose”, relata o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.
A campanha também possibilita a aplicação da primeira dose em quem não foi imunizado na primeira fase da campanha com o objetivo de atingir 80% do público-alvo total.
Além de Londrina, as cidades de Foz do Iguaçu, Paranaguá e Maringá vão receber a capacitação nos dias 4, 11 e 18 de fevereiro, respectivamente.
O evento contará com a participação de profissionais da Secretaria da Saúde; e referências em dengue como o infectologista e pesquisador da Universidade Federal de Goiás (UFG), João Bosco Siqueira.
As próximas capacitações acontecem em de Foz do Iguaçu (4 de fevereiro), Paranaguá (11 de fevereiro) e Maringá (18 de fevereiro).

Segunda fase

Para a segunda fase da campanha o público-alvo será mantido, respeitando a faixa etária de 15 a 27 anos para 28 municípios do estado: Foz do Iguaçu; Santa Terezinha de Itaipu; São Miguel do Iguaçu; Boa Vista da Aparecida; Tapira; Santa Izabel do Ivaí; Cruzeiro do Sul; Santa Fé; Munhoz de Melo; Marialva; Paiçandu; São Jorge do Ivaí; Maringá; Mandaguari; Sarandi; Iguaraçu; Ibiporã; Jataizinho; Porecatu; Bela Vista do Paraíso; Cambé; Londrina; Sertanópolis; Leópolis; São Sebastião da Amoreira; Itambaracá; Cambará; Maripá.
Em Paranaguá e Assaí a vacina é recomendada entre 9 e 44 anos.
Para garantir a efetividade, são necessárias três doses da vacina, com seis meses de intervalo entre elas. A segunda dose vai reforçar a primeira e, com a terceira dose, será garantida a resposta imunológica adequada. A vacina é eficaz contra todos os tipos de dengue (4 sorotipos), reduz em 93% os casos graves da doença, aqueles que levam ao óbito.
Com a vacinação, também será possível diminuir a circulação viral da dengue em todo o Estado. “Quem for vacinado não será portador do vírus e, dessa maneira, vai ajudar a interromper a cadeia de transmissão da dengue. Indiretamente, mesmo quem não faz parte do público-alvo da campanha será beneficiado”, garante a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira.
Fonte:Portal Paraná
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...