sábado, junho 21, 2014


Americano que passou 24 anos preso por engano pede US$ 162 milhões

0


Imagem: DivulgaçãoUm homem que cumpriu uma pena de 24 anos de prisão por engano, ao ser condenado injustamente por um assassinato, exige agora uma indenização de R$ 361 milhões (US$ 162 milhões) à cidade de Nova York,  segundo o jornal The New York Post.
Segundo a fonte, a prova definitiva para libertação do acusado, Jonathan Fleming, veio através de um recibo em seu nome, o qual comprovava que o mesmo esteve em um hotel da Flórida, próximo aos parques da Disney.
O recibo em questão mostra que o acusado esteve no local quatro horas antes do assassinato pelo qual foi condenado.
O homem, residente do condado de Brooklyn e que possui 51 anos de idade, deixou a prisão no mês de abril, depois que a promotoria considerasse a prova apresentada. A condenação de Fleming foi determinada por Charles Hynes, ex-juiz do condado.
De acordo com o advogado de Fleming, Taylor Koss, é “importante” que a cidade outorgue este dinheiro para que “Fleming possa restabelecer sua vida de novo”.
Fonte: R7

PMDB rejeita aliança com o PSDB e aprova candidatura de Requião ao governo

0


roberto requiaoA convenção estadual do PMDB acaba de aprovar a candidatura própria do senador Roberto Requião ao governo. Por 319 votos contra 250, os convencionais do partido rejeitaram a proposta de aliança com o PSDB do governador Beto Richa. Houve ainda quatro votos nulos e um em branco.
“Hoje fizemos aqui o primeiro turno da eleição para o governo do Estado”, comemorou Requião, após a proclamação do resultado. 
Ainda hoje, o partido deve decidir quem será o vice de Requião e o candidato ao Senado. O suplente de deputado federal Marcelo Almeida tem o apoio de Requião para disputar a vaga de senador. Quanto ao vice, ele pode acabar saindo de outro partido. O PV da deputada federal Rosane Ferreira marcou sua convenção para amanhã justamente para esperar a decisão dos peemedebistas, e pode indicar o vice da chapa requianista. 
A vitória da candidatura própria surpreende, já que o grupo que defendia a aliança era formado por 11 dos 13 deputados estaduais do PMDB, e recebeu ainda o reforço do ex-governador Orlando Pessuti, que na terça-feira desistiu de disputar a convenção para apoiar a reeleição de Beto Richa. 
Em troca do apoio do PMDB, Richa havia oferecido ao partido a possibilidade de indicar o candidato a vice-governador em sua chapa. A bancada peemedebista já havia até apontado para a indicação do deputado estadual Caito Quintana para a vaga, que era disputada ainda pelo presidente estadual do partido, deputado federal Osmar Serraglio. 
A vitória da candidatura própria do PMDB muda o cenário para a disputa eleitoral no Estado. Sem o partido no páreo, a tendência é que a eleição para o governo se resolvesse no primeiro turno, entre Richa e a candidata do PT, senadora Gleisi Hoffmann. Agora, o mais provável é que o confronto acabe indo para o segundo turno. (Site Bem Paraná)

quarta-feira, junho 11, 2014


Professor Ivan e a corrida atrás dos votos para Deputado Estadual.

0
Almejando uma vaga entre os Deputados que compõem a Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, o ex- diretor da Faculdade de Mandaguari, Mestre Ivan Marcela de Moraes, está na corrida em busca do apoio de lideranças por várias cidades do estado do Paraná.
Hoje 11/06, sua agenda de visitas está voltada para empresários de Mandaguari. A foto mostra a visita ao empresário e ex- vice prefeito de Mandaguari Claudio Fachini, ao lado do Pr. Resendo Rodrigues da Igreja Avivamento Bíblico
.

Imprensa estrangeira destaca greve e ‘martírio’ para torcedores no Brasi

0

Veículos internacionais, como os sites do jornal espanhol El País e o canal de TV britânico BBC, noticiaram nesta segunda-feira (9) a greve dos metroviários que ocorre há dias na cidade de São Paulo.

A reportagem do El País diz que a entrada para o estádio Itaquerão, sede da abertura do Mundial nesta quinta-feira (12), pode se tornar um martírio para os milhares de torcedores devido aos inúmeros transtornos que os mesmos enfrentarão para chegar ao estádio.

A BBC cita que a greve continua, contrariando uma decisão judicial e que por conta da paralisação, a cidade de São Paulo enfrenta “horrendos engarrafamentos”.

Imagem: Reprodução/Internet
Fonte: G1

Propaganda antecipada: Dilma usa Copa para atacar adversários, na TV

0


Dilma aproveitou para criticar os “pessimistas”; oposição promete ir ao TSE para pedir punição por propaganda eleitoral antecipada
Dilma Rousseff, a presidente-candidata, fez nesta terça-feira (10) um discurso em cadeia de rádio e televisão para comemorar a chegada da Copa do Mundo – e, claro, se promover utilizando as prerrogativas do cargo. Dilma falou por dez minutos e fez afirmações que suscitaram críticas imediatas de opositores.
Ignorando as muitas obras que não ficaram prontas a tempo (e as que ficaram às custas de muito dinheiro desperdiçado), ela celebrou o início do torneio esportivo e atacou os críticos, que chamou de “pessimistas”. “Os pessimistas diriam que não teríamos Copa porque não tínhamos estádios. Os estádios estão aí, prontos. Diziam que não teríamos Copa porque não teríamos aeroportos. Praticamente dobramos a capacidade dos nossos aeroportos”, disse ela.
Dilma também se dirigiu aos insatisfeitos com os elevados gastos do governo com a realização da Copa: “É preciso olhar os dois lados da moeda. A Copa não representa apenas gastos, ela traz receitas para o país”, afirmou, antes de dizer que os jogos geram negócios e criam empregos.
A presidente também tentou adaptar seu discurso para agradar o coro preocupado com os casos de corrupção que podem se proliferar diante dos gastos com o torneio mundial. Ela disse que as despesas estão sendo fiscalizadas pelos órgãos de controle, e que eventuais autores de irregularidades serão punidos rigorosamente.
Dilma Rousseff não perdeu a oportunidade de listar alguns de seus programas de governo, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
A reação da oposição foi imediata: o PSDB anunciou que vai pedir que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) puna a presidente por propaganda eleitoral antecipada.
Candidata
Dilma passou a terça-feira em “modo” candidata: de manhã, ela foi à convenção do PDT que referendou o apoio do partido à reeleição da presidente. De tarde, ela esteve em outra convenção, do PMDB, que, apesar de dividido, também assegurou a continuidade da aliança com o PT no plano nacional. Em ambos os casos, Dilma utilizou a retórica de candidata para fazer ataques à oposição e afirmar que só o PT pode manter o Brasil nos trilhos.
Fonte: Veja

Após rumores de separação, Kaká e Carol Celico ‘reatam’

0

Imagem: Reprodução/InstagramMenos de uma semana depois de surgirem de que o casamento do jogador Kaká, com a socialite Carol Celico havia chegado ao fim, o par decidiu desmentir a história de maneira contundente. Eles foram fotografados pela mãe de Carol (foto ao lado), Rosângela Lyra, dando um beijo na boca durante aniversário do filho mais velho do casal, Lucas, que completou 6 anos nesta terça-feira (10).
“Kaká e Carol separados pela… Isabella no meio”, brincou Rosângela, lembrando indiretamente as notícias sobre a separação da filha. A foto, postada no perfil no Instagram de Rosângela, mostra Kaká e Carol dando um selinho. O jogador segura nos braços a filha mais nova do casal, Isabella, de 3 anos.
Na última semana, uma fonte próxima a Kaká afirmou que o casamento com Carol já havia chegado ao fim dois meses antes. Os dois namoraram por três anos antes do casamento, que aconteceu quando ele tinha 23 anos e ela, 18.
Fonte: Revista veja.

sábado, junho 07, 2014


Igrejas são demolidas em nova onda de perseguição a cristãos na China

0


O governo chinês justifica as demolições dizendo que os prédios tinham irregularidades nas construções
Recentes casos de demolição de igrejas e destruição de estátuas que evocavam passagens da vida de Cristo reacenderam o alerta contra a perseguição a cristãos na China. A cidade de Wenzhou, na província de Zhejiang, costa leste do país, é conhecida como ‘Jerusalém da China’, e tem sido o foco das ações. No entanto, cristãos temem que uma campanha nacional esteja sendo preparada, em uma tentativa de barrar o crescimento do cristianismo no país.
“Ainda não está claro se isso é o início de uma campanha mais ampla contra o cristianismo. No entanto, o que aconteceu em Zhejiang deve ter ao menos a aprovação tácita do governo central”, acredita Fenggang Yang, diretor do Centro de Religião e Sociedade Chinesa da Universidade Purdue. “Nos últimos anos, as autoridades comunistas ficaram mais assustadas com o rápido crescimento do cristianismo”.
O professor Yang, autor de Religião na China: Sobrevivência e Ressurgimento sob o Domínio Comunista’, afirma que o crescimento do cristianismo foi rápido nas últimas três décadas, com média de 10% ao ano desde 1980. O número de católicos desde então passou de 3 milhões para 9 a 12 milhões em 2010, enquanto o número de protestantes saltou de 3 milhões para ao menos 58 milhões em 2010, ou 4,3% da população chinesa, segundo o Pew Research Center.
O instituto ressalta que saber com precisão quantos cristãos há na China é tarefa dificultada pelo fato de que muitos frequentam igrejas clandestinas. Por outro lado, acrescenta que até pouco tempo atrás, poucos pesquisadores sabiam se a religião havia sobrevivido à Revolução Cultural desencadeada por Mao Tsé-tung nos anos 60. Agora sabe-se que milhões de chineses têm alguma fé religiosa.
“Nos últimos trinta anos, a sociedade chinesa tem vivenciado um momento de abertura e o governo se deu conta de que teria de tolerar, até certo ponto, a liberdade dos indivíduos”, pontua Feng Wang, professor de sociologia da Universidade de Michigan especializado em China. Essa abertura – iniciada por Deng Xiaoping no final de década de 1970 e ao longo dos nos anos 1980 – propiciou o uso limitado da internet e o abandono do marxismo como ideologia oficial, por exemplo. “Nesse contexto, muitas pessoas na sociedade chinesa decidiram buscar uma zona de conforto espiritual (…) O governo tem consciência que não pode suprimir esse desejo. Contudo, o que o governo não entende, não autoriza e, mais ainda, teme é a criação de organizações religiosas”.
Numa democracia funcional, as religiões também têm um papel de coesão social e são regidas por instituições estruturadas que podem, eventualmente, se contrapor aos governos e criticar os governantes. E isso é tudo que Pequim não deseja. “O Partido Comunista não pode tolerar qualquer outra organização que não seja a do próprio partido. Admitem a prática religiosa, desde que esteja, de alguma forma, atrelada ao Estado. Tanto que a China não reconhece o Vaticano. E, inclusive, é o próprio partido que determina quem serão os bispos e padres”, lembra Wang.
A Associação Católica Patriótica Chinesa, versão da Igreja que segue os preceitos do Partido Comunista, sempre viveu em conflito com o Vaticano, que não reconhece os padres e bispos nomeados pela associação. A Constituição de 1982 permite o culto a cinco religiões, mas proíbe qualquer influência estrangeira.
No caso das recentes ações em Zhejiang, o professor Fenggang Yang aponta uma motivação política para as medidas extremas destinadas a controlar o crescimento do cristianismo: a ânsia dos líderes provinciais em impressionar o presidente Xi Jinping e, desta forma, subir na hierarquia comunista.
O governo chinês tenta justificar a recente onda de demolições – que já deixou ao menos seis locais de culto completa ou parcialmente demolidos, segundo o jornal britânico Daily Telegraph – dizendo que os prédios vieram abaixo porque havia irregularidades nas construções. O especialista de Purdue rejeita o argumento: “O fato é que muitos prédios governamentais, comerciais e outras construções religiosas também violaram regras, mas até aqui a maior parte dos grandes prédios demolidos eram igrejas cristãs. Mais do que isso, não há nenhuma justificativa legal para tirar cruzes de igrejas ou cortar a luz de igrejas à noite. Que tipo de regra as cruzes ou as luzes violaram? O alvo claramente são as igrejas cristãs”.
Fonte: Revista Veja

Presidente Dilma defende aborto com assistência na saúde pública

0


Imagem: DivulgaçãoNo primeiro posicionamento sobre aborto desde o início de seu governo, a presidente Dilma Rousseff defendeu a interrupção da gestação por motivos “médicos e legais” e sua realização em todas as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) com serviço de obstetrícia. Ela abordou o assunto em resposta a questionamento do ‘Globo’ sobre a morte de mulheres devido a abortos malsucedidos na clandestinidade.
A presidente sustentou que a lei 12.845, de 1º de agosto de 2013, passou a garantir que o atendimento seja “imediato e obrigatório” em todos os hospitais do SUS. “Para realizar a interrupção legal da gestação, o estabelecimento deve seguir as normas técnicas de atenção humanizada ao abortamento do Ministério da Saúde e a legislação vigente. O gestor de saúde municipal ou estadual é o responsável por garantir e organizar o atendimento profissional para realizar o procedimento”, afirmou Dilma ao ‘Globo’.
A lei citada foi sancionada pela presidente para assegurar atendimento médico a mulheres vítimas de violência sexual. Causou polêmica junto às bancadas evangélica e católica no Congresso por prever a “profilaxia da gravidez” — a mais comum é a pílula do dia seguinte — e o fornecimento de informações sobre a possibilidade legal de aborto em caso de estupros. Segundo essas bancadas, Dilma estimulava o aborto ao sancionar a lei sem vetos. Grupos religiosos protestaram em frente ao Palácio do Planalto contra a sanção da lei.
A última ofensiva religiosa contra o governo visou a portaria do Ministério da Saúde que definia os valores dos atendimentos de aborto na rede pública — a tabela do SUS passaria a trazer o montante de R$ 443,40 por procedimento e só se referia aos casos aceitos pela legislação: estupro, risco de vida à mulher e gestação de anencéfalo. Após forte pressão de parlamentares evangélicos, em especial do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), o ministério revogou a portaria, no último dia 28. A explicação oficial é que a revogação ocorreu por “questões técnicas”. A posição da presidente, agora, é uma defesa de que esses casos sejam atendidos em qualquer hospital da rede pública.
Posição de pré-candidatos
O jornal consultou os três principais pré-candidatos à Presidência para que manifestassem a posição sobre a legislação do aborto e sobre o atendimento a essas mulheres na rede pública. Dilma só comentou o segundo tópico. A assessoria do senador Aécio Neves (MG), pré-candidato pelo PSDB, não respondeu às perguntas, feitas sexta-feira e reforçadas nesta segunda-feira (2).
O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, pré-candidato do PSB, informou: “A coordenação do plano de governo da aliança PSB-Rede-PPS-PPL tem feito nas duas últimas semanas discussões sobre o tema ‘Saúde da Mulher’ com vários grupos. Um dos temas abordados é justamente o atendimento às mulheres que tenham complicações de saúde por terem provocado o aborto sem respaldo legal. A falta de números confiáveis de mortes provocadas por abortos malsucedidos também tem sido tratada nos grupos”, informou a assessoria da pré-candidatura.
“É consenso que essas mulheres devem ter o atendimento garantido pelo SUS. Programas específicos devem ir além do atendimento clínico. Tanto Eduardo Campos quanto Marina Silva consideram que a legislação atual já trata de forma adequada os casos em que o aborto deve ser autorizado”, concluiu a nota.
Na campanha em 2010, Dilma assinou carta garantindo a grupos religiosos ser contra o aborto e mudanças na legislação. O tema pautou boa parte do período eleitoral. Eleita, Dilma voltou a enfrentar a ira das bancadas evangélica e católica ao indicar a feminista Eleonora Menicucci, que já deu declarações a favor do aborto, ao cargo de ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência. Ano passado, os religiosos criticaram a sanção da lei que ampara mulheres vítimas de violência sexual. E, por último, atacaram a portaria que amplia os valores do SUS nos procedimentos de aborto legal.
Fonte: O Globo

Mais de 70% dos brasileiros estão insatisfeitos, revela pesquisa

0


Imagem: Reprodução
O pessimismo avançou consideravelmente entre os brasileiros no último ano, marcado por protestos generalizados, inflação em alta e baixo crescimento, deixando um legado de frustração sem precedentes nos anos recentes. Como resultado, contaminou negativamente a avaliação da população sobre os rumos do país, as condições da economia, o governo da presidente Dilma Rousseff e a realização da Copa do Mundo, revela levantamento feito, entre os dias 10 e 30 de abril, pelo Pew Research Center, um dos mais importantes institutos de pesquisa dos EUA. Segundo a sondagem, 72% dos brasileiros se dizem insatisfeitos com a situação do país e 85% apontam a escalada dos preços como preocupação central.
Há 12 meses, 55% estavam insatisfeitos, pouco acima dos 50% de 2010, último ano do governo Lula e início da série histórica. A economia tem papel central no mau humor corrente. Dois terços (67%) dos 1.003 entrevistados no Brasil com mais de 18 anos consideram a situação econômica ruim, após quatro anos seguidos em que a percepção positiva foi dominante.
Em 2010, consideravam boa a situação da economia 62% dos brasileiros, percentual que chegou a 65% em 2012 e era de 59% no ano passado. Em abril, apenas 32% dos pesquisados estavam satisfeitos com os rumos econômicos. Mas 63% acreditam que as condições vão melhorar nos próximos 12 meses.
Criminalidade, saúde e corrupção
Depois da inflação, a criminalidade e a saúde (83%) e a corrupção no meio político (78%) aparecem como principais desafios para os brasileiros. A falta de oportunidades de emprego (72%), o hiato entre pobres e ricos (68%), a baixa qualidade das escolas (64%) e o endividamento público (56%) completam a lista de problemas mais citados pelos entrevistados.
“A rigor, esses não são desafios novos no Brasil. Pesquisas conduzidas pelo Pew Research desde 2010 registraram preocupações generalizadas com amplo arco de questões sociais, políticas e econômicas, incluindo crime, corrupção e inflação. Mas o nível atual de frustração que os brasileiros expressam com a direção do país, sua economia e seus líderes não tem par em anos recentes”, afirma a pesquisa, cujos principais analistas são Juliana Horowitz e Richard Wike.
Curiosamente, a melhor avaliação da presidente Dilma, na pesquisa, é na condução da economia. Ainda assim, a visão negativa supera em muito a positiva – 63% desaprovam sua gestão econômica, para 34% que a chancelam. Os números pioram para a administração de Dilma nos outros oito temas consultados: pobreza (65% de desaprovação), preparação da Copa do Mundo (67%), educação e política externa (71%), transporte público (76%), saúde e criminalidade (85%) e corrupção (86%).
De forma geral, o país se apresenta dividido em relação ao governo Dilma: 52% acham a influência de sua Presidência negativa para o Brasil, ao passo que 48% a consideram positiva. Brasileiros de maior renda e mais escolarizados desaprovam a presidente de forma mais contundente, mas mesmo nas classes de menor poder aquisitivo e educação a avaliação negativa de Dilma se sobrepõe.
“É uma diferença profunda com a opinião sobre seu antecessor e aliado, Luiz Inácio Lula da Silva. Em seu último ano de segundo mandato (2010), 84% dos entrevistados afirmaram que Lula estava tendo um impacto positivo sobre o Brasil”, compara o Pew Research Center.
A sondagem, porém, revela que Dilma é, pessoalmente, vista de forma mais favorável do que seus dois principais adversários nas eleições deste ano. Perguntados se tinham uma visão favorável ou desfavorável da presidente, 51% escolheram a avaliação positiva.
No caso do presidenciável do PSDB, Aécio Neves, 27% o veem favoravelmente, contra 53% negativamente. Em relação a Eduardo Campos, do PSB, 24% têm visão favorável e 47%, desfavorável. Um em cada cinco entrevistados não tem opinião formada sobre Aécio e um a cada quatro, sobre Campos. Marina Silva, companheira de chapa do socialista, tem avaliação favorável igual à de Dilma (51%), mas recebe menos notas negativas (37%, contra 49% da presidente).
Joaquim Barbosa: 60% de aprovação
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que anunciou sua aposentadoria na semana passada, desfruta de avaliação favorável (60%) próxima do nível do ex-presidente Lula (66%), o político mais bem avaliado da sondagem. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sobre o qual 67% dos entrevistados têm visão negativa, recebe a pior avaliação.
Vários dos problemas que mais atormentam os brasileiros estiveram no centro das manifestações que tomaram as ruas do país no último ano. No entanto, o levantamento do Pew mostra um Brasil dividido sobre os seus efeitos: 47% consideram os protestos uma boa coisa, por terem jogado os holofotes sobre deficiências relevantes do país, enquanto 48% acham que foram nocivos.
As mulheres são mais críticas (51%), enquanto os homens lideram o apoio às manifestações (51%). Os jovens entre 18 e 29 anos endossam majoritariamente os protestos (52%), enquanto os brasileiros com mais de 50 anos reprovam (53%). Pessoas com menor escolaridade (56% dos com curso primário) e que ganham menos (51%) concentram os descontentes com as manifestações.
Copa do Mundo: 61% considera evento ruim 
O impacto da Copa do Mundo, que começa no próximo dia 12 e foi umas catalisadoras da insatisfação nas ruas, é considerado negativo por 61% dos entrevistados, que consideram o evento ruim devido aos recursos públicos que dragou, que poderiam ter sido investidos em educação, saúde e outros serviços públicos, segundo a pesquisa. Apenas 34% afirmam que o Mundial será benéfico, por girar a economia e criar empregos.
O efeito da Copa para a imagem do Brasil perante o mundo não é uma unanimidade. Quase quatro em cada dez pessoas ouvidas (39%) acham que o impacto será negativo, 35% avaliam que será positivo e 23% consideram que o efeito será nulo.
A frustração dos brasileiros, na sondagem do Pew Research Center, se estende do governo a outras instituições da sociedade. A administração federal, vista como uma boa influência no Brasil por 75% da população em 2010, agora ganha nota positiva apenas de 47%. No caso da Polícia, muito criticada pela repressão às manifestações desde junho de 2013, o indicador positivo recuou de 53% para 33%.
A mídia – contestada por parte dos manifestantes – era considerada uma boa influência por 81% dos entrevistados em 2010 e agora ganha avaliação positiva de 69% dos brasileiros. Os números das Forças Armadas recuaram de 66% para 49%. Os líderes religiosos formam a única categoria que não sofreu abalos em quatro anos: as respostas que endossam boa influência subiram de 67% para 69%.
Os brasileiros também acreditam que o Brasil deveria ser mais respeitado internacionalmente, opinião de 76% dos entrevistados. Porém, menos pessoas afirmam que o Brasil é ou se tornará uma das nações mais poderosas do mundo: o percentual combinado, que era de 77% em 2010, caiu a 59% este ano. O apoio ao Bolsa Família continua inabalado: 75% dos brasileiros consideram o programa de transferência de renda uma boa coisa para o país.
Fonte: O Globo

Black blocs prometem caos na Copa com ajuda do PCC

0


Vândalos que executaram ações de grande repercussão do ano passado em protestos continuam fora do radar da polícia
Vândalos que executaram ações de grande repercussão do ano passado em protestos continuam fora do radar da polícia
Os black blocs que executaram as ações de grande repercussão do ano passado continuam fora do radar da polícia, e prometem transformar a Copa do Mundo “num caos”. Para isso, alguns deles esperam que o Primeiro Comando da Capital (PCC), a organização que domina os presídios paulistas e emite ordens para criminosos soltos, também entre em campo. Não se trata de uma parceria, mas de uma soma de esforços, de acordo com reportagem do jornal ‘O Estado de S. Paulo’.
Com o compromisso de não identificá-los, a reportagem ouviu 16 desses black blocs, em seis encontros, na última semana. À diferença dos adolescentes que os imitaram em depredações, e que acabaram arrolados em um inquérito do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), eles são adultos, seguem tática desenvolvida há décadas na Europa e nos Estados Unidos, não têm página no Facebook nem querem aparecer.
Dos 20 que formam o núcleo da rede, apenas um foi fichado, porque foi detido em uma manifestação. Movem-se na sombra do anonimato, articulam-se nacionalmente, e nunca haviam dado entrevista antes. Preocupados com sua imagem perante a opinião pública, decidiram falar, pela primeira vez. “Vamos estourar de novo agora”, promete o mais veterano deles, de 34 anos, formado em História na USP e com matrícula trancada no curso de Psicologia.
“A gente vai devolver o troco na moeda que o Estado impõe”, ameaça o ativista, que trabalha para um hospital público de São Paulo. “O caos que o Estado tem colocado na periferia, por meio da violência policial, na saúde pública, com pessoas morrendo nos hospitais, na falta de educação, na falta de dignidade no transporte, na vida humana, é o caos que a gente pretende devolver de troco para o Estado. E não na forma violenta como ele nos apresenta. Mas vamos instalar o caos, sim. Esse é um recado para o Estado.”
“A gente tem certeza de que o crime organizado, o PCC, vai causar o caos na Copa, e a gente vai puxar para o outro lado”, continua o veterano. “Não temos aliança nem somos contra o PCC. Só que eles têm poder de fogo muito maior do que o MPL (Movimento Passe Livre, que iniciou as manifestações, há um ano, com ajuda dos black blocs). Pararam São Paulo”, acrescentou, lembrando as ações do PCC na década passada.
Fonte: Revista Veja

Bernard, da seleção, declara sua fé e diz esperar em Deus por uma esposa

0


Imagem: Reprodução/Site Oficial Shakhtar DonetskEntre os 23 jogadores convocados pelo técnico Luiz Felipe Scolari para representar o Brasil na Copa do Mundo, está o meia Bernard. Ele vive na Ucrânia, onde defende o Shakhtar Donetsk. Em entrevista ele falou sobre alguns aspectos das sua vida e afirmou sua fé em Deus. Questionado sobre ainda estar solteiro, o jogador disse acredita que “Deus vai colocar alguém no meu caminho” e que nunca “desisti daquilo que Deus reservou” para ele.
Nascido em Belo Horizonte, Bernard Anício Caldeira Duarte, de 21 anos, começou a carreira chegando às categorias de base do Atlético Mineiro em 2008. Em 2010, aos 18 anos, foi emprestado ao Democrata de Sete Lagoas. O jovem craque chamou a atenção de clubes estrangeiros e do técnico Dorival Júnior, que o convocou para integrar o elenco profissional do Atlético Mineiro na temporada 2011. Em agosto de 2013, o Shakhtar Donetsk acertou a contratação do jogador por 77 milhões de reais por um período de cinco anos.
Jovem talentoso, o rapaz não ficou muito tempo solteiro. Ele namorou a estudante Beatriz Hudson, mas o relacionamento acabou logo que ele se mudou para a Ucrânia. “Terminei o namoro, pois parecia que namorava mais a minha sogra do que a minha própria namorada”, disparou ele em entrevista ao “Estado de Minas”.
Apesar de ter tomado a iniciativa de colocar um ponto final na relação, Bernard não esconde que sofreu bastante. “Fui eu quem terminei, mas sofri com isso. Não fraquejei e não liguei, pois tinha medo de ter recaída e voltar. Hoje estou solteiro, mas tenho a certeza de que Deus vai colocar alguém no meu caminho. E aviso que sei avaliar quando alguém gosta do Bernard de verdade, e não do jogador ou do dinheiro”, afirmou ele, que sonha em casar e quer ter dois ou três filhos. Se for pai, ele já tem até nome escolhido para o primeio filho: Davi. Ele inclusive tatuou uma estrela de Davi no braço esquerdo.
O jogador garante que ter alcançado tantas conquistas tão cedo não lhe subiu à cabeça: “Tudo aconteceu muito rápido na minha vida, mas à custa de sacrifício, dedicação e perseverança”.
Os mimos para que ele continue na Ucrânia não são poucos. Segundo o jornal “Extra”, ele tem motorista particular e até feijão e arroz importados. Determinado, ele deixou o Brasil disposto a se adaptar e fazer com que a nova vida na Ucrânia dê certo. “Minha cabeça vai estar na Ucrânia, não no Brasil, nos pagodes ou nas festas. Vou me adaptar ao frio, ao idioma, a tudo, pois nunca desisti daquilo que Deus reservou para mim”, afirmou ele, que é evangélico e lê a Bíblia frequentemente. “Sou muito religioso”, afirmou ele, ao jornal.
Estudando inglês e vivendo com parte da família em uma bela mansão, o jogador garante que não irá se acomodar por ter milhões na conta. O mineiro estudou apenas até a primeira série do segundo grau, mas diz ler bastante e estar interessado em aprender com a cultura europeia. “Quero me tornar um cara culto”, contou ele, que curte livros sobre superação como os de Bernardinho e Michael Jordan.
Fonte: Ego

Pressão: Alves agora sugere revogar decreto bolivariano de Dilma; entenda

0


Imagem: Divulgação
Agora Henrique Alves alfineta: “O governo errou na condução”
Henrique Alves, presidente da Câmara dos Deputados, bateu no Palácio do Planalto para tentar uma saída do beco em que está, apertado entre os interesses do governo e a pressão da oposição. O motivo foi o o decreto bolivariano assinado à surdina por Dilma na semana passada, que pretende nada a mais e nada menos do que transformar o Brasil em uma Venezuela ou Cuba.
O presidente da Câmara foi pressionado a se manisfestar devido a exigência do DEM, PPS e PSDB em pautar o decreto apresentado por Mendonça Filho, que susta a decisão de Dilma. Caso contrário, a oposição vai cruzar os braços e obstruir todas as votações na Câmara, na prática, jogará o esforço concentrado no lixo
Segundo matéria do jornalista Lauro Jardim, em sua coluna na ‘Veja’, Henrique Alves sugeriu ao ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que o governo revogue o decreto e envie a mesma proposta num projeto de lei, que teria de passar pelo Congresso para entrar em vigor. Mercadante só ouviu, não disse se aceitou ou não a ideia.
Fonte: Revista Veja

Contra a democracia: Dilma aprova decreto que transforma o Brasil em Cuba; entenda

0


Nove bancadas assinaram proposta na Câmara para tentar suspender os efeitos do decreto presidencial que pode mudar a ordem constitucional
Nove bancadas assinaram proposta na Câmara para tentar suspender os efeitos do decreto presidencial que pode mudar a ordem constitucional
O decreto bolivariano número 8.243/2014, assinado à surdina pela presidente Dilma Rousseff na semana passada, não caiu bem no Congresso Nacional. Nesta terça-feira (3), nove partidos resolveram se unir para tentar impedir o avanço da medida destinada a aparelhar órgãos públicos e entidades da administração federal direta e indireta com integrantes de “movimentos sociais”, conhecida massa de manobra do PT.
Na Câmara, nove legendas – DEM, PPS, PSDB, Solidariedade, PR, PV, PSD, PSB e Pros – assinaram um pedido para votar, em regime de urgência, um decreto legislativo que anule os efeitos do decreto presidencial. Embora a transferência de votos não seja automática, juntas, as agremiações contabilizam 229 dos 513 deputados – são necessários 257 votos para aprovar um decreto legislativo. A decisão de colocar a proposta em votação cabe ao presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que ainda não se manifestou. No Senado, os partidos de oposição também tentam suspender o texto presidencial.
O decreto para instituir um canal paralelo de poder, antiga pretensão petista, foi assinado por Dilma (Decreto 8.243/2014) no último dia 23 de maio. No papel, determina a criação da Política Nacional de Participação Social (PNPS) e do Sistema Nacional de Participação Social (SNPS). Na prática, prevê a implantação de “conselhos populares”, formados por integrantes de movimentos populares, vinculados a órgãos públicos. Tudo sob a tutela do ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República).
O texto bolivariano ataca um dos pilares da democracia brasileira, a igualdade dos cidadãos, ao privilegiar grupos alinhados ao governo. A Constituição brasileira estabelece que os cidadãos têm direito à livre manifestação por meio de eleições diretas. “A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante: I – plebiscito; II – referendo; III – iniciativa popular”, diz o artigo 14 da Constituição de 1988.
O decreto de Dilma, porém, é explícito ao justificar sua finalidade: “consolidar a participação social como método de governo”. Um dos artigos quer estabelecer, em linhas perigosas, o que é a sociedade civil: “I – sociedade civil – o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Ou seja, segundo o texto de Dilma, os movimentos sociais – historicamente controlados e manipulados pelo PT – são a representação da sociedade civil no Estado Democrático de Direito. Nesse sentido, são autoexplicativos os afagos do governo federal a militantes do MST e grupos baderneiros de índios e sem-teto após protagonizarem cenas deploráveis de ataques a prédios públicos, privados e à polícia.
“A presidente tenta subtrair os Poderes do Parlamento brasileiro. É o mesmo modelo ideológico que se propôs para a Venezuela e para Cuba e que agora estão tentando trazer aos poucos ao Brasil. Temos que resistir a isso porque o Parlamento é o foro da sociedade brasileira. Esses conselhos subtraem a democracia porque são um aparelho do PT. Não podemos fazer que eles passem por cima da lei e caminhar pela estrada mais triste, que é o caminho antidemocrático que o PT está propondo. Isso vai acabar no STF”, diz o líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR). “Dilma quer criar uma estrutura paralela de poder e dividir o cidadão em 1ª e 2ª classe”, afirma o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE).
OAB
A Comissão de Estudos Constitucionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) analisa a possibilidade de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar barrar a medida. Ao site de VEJA, o jurista Valmir Pontes Filho, que preside a comissão, afirmou que o decreto é “realmente preocupante” porque “há várias indicações de conflito com a Constituição”.
“As discussões no Congresso de derrubada do decreto são utilíssimas porque o decreto não é tão aprimorado do ponto de vista redacional. Ele é muito confuso e há várias indicações de conflito com a Constituição. Esse exame preocupa todos nós. É um decreto polêmico e realmente preocupante”, disse Pontes.
No Congresso, dez partidos pressionam para que seja colocada em votação a urgência de um decreto legislativo para anular o texto presidencial. A frente esbarra, entretanto, na resistência do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que teme desagradar Dilma. Pré-candidato ao governo do Rio Grande do Norte, Alves não quer comprar briga com o Palácio do Planalto às vésperas de inaugurar o novo aeroporto de São Gonçalo do Amarante na segunda-feira – ao lado da presidente.
Fonte:Revista Veja

Ator Denzel Washington surpreende com lição sobre vida de oração

0

Imagem: DivulgaçãoNa época em que estrelou o longa “O Livro de Eli”. Ele já interpretou vários papéis de destaque e ganhou dois Oscar, pelos filmes “Tempo de Glória” e “Dia de Treinamento”.
Evangélico e membro da Igreja de Deus em Cristo, West Los Angeles (EUA), popular igreja pentecostal afro-americana, afirmou na época que “a Bíblia é como uma arma. Se ficar aí, em cima de uma mesa, nunca vai machucar ninguém. É uma questão de como você vai usá-la”.
Em 2012, disse em entrevista à revista GQ que lia a Bíblia todos os dias e foi batizado no Espírito Santo e por isso ora em línguas estranhas há mais de 30 anos.
Em um vídeo que se tornou popular no Facebook esta semana, Denzel aparece falando a um grupo de jovens atores. Postado no último domingo por seu amigo, o cantor Tyrese Gibson, o clipe tem cerca de quatro minutos e oferece uma aula prática sobre vida de oração e fé. Foram cerca de 80 mil compartilhamentos em pouco mais de 48 horas.
Para Denzel, fé e dedicação são o segredo do seu sucesso e a fórmula funciona para todos que tentarem. O trecho que mais chama atenção é quando o ator premiado ensina: “Eu oro para que vocês coloquem todas as noites os seus sapatos bem para baixo da cama. Assim, vocês terão que ficar de joelhos todas as manhã para encontrá-los. Enquanto você estiver assim, aproveite para agradecer a Deus pela sua graça, misericórdia e compreensão. Todos nós carecemos da glória, mas ela está disponível a todos nós em abundância”.
Após afirmar que ele ora todas as manhãs, reconhece que é milionário, mas não baseia sua vida nisso. “Você nunca vai ver um caminhão de mudanças seguindo no cortejo atrás de um carro funerário… eu fui abençoado e consegui ganhar centenas de milhões de dólares na minha vida. Mas eu não posso levar nada comigo e nem vocês podem. Então, a questão não é o quanto você tem, mas o que você faz com o que Deus lhe deu”, finalizou.

Denzel Washington conta como foi batizado com o Espírito Santo

O ator Denzel Washington, 57 anos, é possivelmente um dos atores mais carismáticos de Hollywood. Ele já interpretou vários papéis de destaque e ganhou dois prêmios Oscar, pelos filmes “Tempo de Glória” e “Dia de Treinamento”.
Recentemente, ao filmar o longa “O Livro de Eli”, mostrou ao mundo um pouco mais de sua vida de fé, como cristão membro da Igreja de Deus em Cristo de West Los Angeles (EUA).
Em uma entrevista à revista GQ, Washington, declarou: “Leio a bíblia todos os dias. Leio a minha palavra diária. Li algo muito legal ontem: ‘Nós não aspiramos só viver a vida, aspiramos a fazer a diferença’”.
Ele contou ainda sobre a experiência que teve com o Espírito Santo durante um culto em sua igreja. “Foi há trinta anos, na igreja que eu ainda frequento. O pastor estava pregando: “Deixa fluir”. Eu disse, “eu vou deixar”.
O ator descreveu como sentiu o Espírito Santo pela primeira vez. “Eu tive essa tremenda experiência física e espiritual. O que me assustou é que eu estava com a língua enrolada, chorando, suando. Minhas bochechas pareciam que iam explodir. Foi como uma limpeza. Foi algo muito intenso… Liguei para minha mãe, e ela disse que eu estava sendo cheio do Espírito Santo. Eu questionei ‘Isso significa que eu nunca mais poderei beber vinho?’”.
Washington acredita na importância da espiritualidade, não só em sua vida, mas também em sua carreira. “A espiritualidade é importante em todos os aspectos da minha vida”, disse. “Quero dizer, é por isso que eu estou aqui. Isso é o que tem me abençoado”.
Durante a entrevista ele também comentou sobre a morte de Whitney Houston, com que contracenou no filme com tom religioso “Um anjo em minha vida”. “Whitney era um doce de pessoa, uma garota humilde. Para mim, o que aconteceu com ela deveria servir como mais um exemplo para que todos andem na linha… Posso até estar falando algo que não saiba. Pode ser que, para ela, o limite ainda não tivesse chegado. Mas seu corpo a traiu. Ela sequer notou que estava envelhecendo mais rápido e, naturalmente, não conseguia mais manter o ritmo de antes. Algumas pessoas sobrevivem a Holywood e à fama, outras não”.
Fonte: Gospel Prime

Senado aprova ‘lei da palmada’, sob duras críticas de Magno Malta

0


“De qual cabeça desocupada saiu esta ideia de permitir o Estado de intervir na educação familiar, como lei deste tipo pode fazer as pessoas mais felizes, já que existem leis que punem os abusos contra crianças? Agora, crianças vão até a delegacia mandar prender os pais…”. O texto do jornalista Ricardo Kostcholeu, foi lido em plenário pelo senador Malta
Inicialmente identificada como Lei da Palmada, a mesma se passou a chamar Lei Menino Bernardo, em homenagem ao garoto que denunciou os abusos que sofriam em casa, mas que mesmo assim foi assassinado. A iniciativa foi aprovada no Senado Federal, com apoio da presidente Dilma Rousseff. No plenário estavam presentes, além de ministros e parlamentares, a apresentadora Xuxa, que foi convidada pelo presidente Renan Calheiros.
Em sua fala, o senador Magno Malta afirmou que a Justiça precisa agir, em casos de denúncias de abusos, no tempo máximo de 24 horas – para evitar que muitos agressores escapem. Ele reclamou que o texto do projeto “dormiu quatro anos na Câmara”, mas não foi debatido de forma profunda no Senado. Ele fez questão de dizer que “não desaprova” a iniciativa, mas registrou que teve apenas “uma hora” para examinar o texto. ”O que o Senado está fazendo é um crime contra ele mesmo”, declarou.
A Lei, que criminaliza os pais que provocarem sofrimentos e lesões nos próprios filhos, chegou ao Senado nesta quarta-feira (4) e foi votada no mesmo dia, na Comissão de Direitos Humanos (CDH).
Ainda na CDH, em sessão acirrada, Magno Malta pediu vista de cinco dias para aprofundar mais os debates. “É muito risco votar sem saber direito no que está sendo votado. A mãe que puxar a orelha do filho que não obedece, agora, corre risco de ser criminalizada”, justificou.
Já o senador Pedro Simon (PMDB/RS) reclamou que o Senado tem ficado a reboque da Câmara dos Deputados, sem tempo para discutir matérias importantes, que ficam retidas muito tempo naquela casa e já chegam sob pressa”, criticou.
Fonte: Assessoria de Imprensa


Jogador Kaká se separa da esposa Carol Celic

0

Imagem: InstagramEm matéria publica no site R7 nesta sexta-feira (6), informa que chegou ao fim o casamento do meia Kaká com Carol Celico. Ainda segundo a matéria, a informação foi inicialmente divulgada pela revista Caras desta sexta, com direito a confirmação de uma fonte próxima ao jogador.
Segundo a revista, “a decisão de por fim ao casamento de oito anos partiu de Caroline, que já se mudou para São Paulo com os dois filhos do casal, Lucca, de quase seis anos, e Isabella, de três. Já Kaká está passando uns dias em Fernando de Noronha, Pernambuco, com o irmão, Diogo”.
Kaká se casou com Carol em 2005, em uma cerimônia realizada para 600 convidados que contou com a presença de astros do futebol como Ronaldo Nazário, Cafu e Roberto Carlos. O evento foi realizado na igreja evangélica Renascer em Cristo, em São Paulo.
Atualmente, Kaká é o principal destaque do Milan comandado pelo técnico Clarence Seedorf, que não conseguiu se classificar para nenhuma das principais competições europeias da próxima temporada (Liga dos Campeões e Liga Europa).
Kaká é cogitado para atuar no futebol dos Estados Unidos na próxima temporada. Uma volta ao São Paulo não foi descartada pelo jogador, que chegou até a visitar o clube recentemente. Mas ela somente acontecerá num futuro mais distante.
Fonte R 7
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...